Por que a rinite alérgica ataca mais durante o inverno?

Saiba o que está impedindo você de ter uma boa noite de sono
10 de julho de 2019
Fumo passivo aumenta chances de problemas de ouvido
7 de agosto de 2019

O inverno, além de época mais fria, é também o período mais seco do ano, onde a umidade relativa do ar pode ficar abaixo de 30% – bem menos que os 50% considerados pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como o mínimo ideal para a saúde humana.

Outra característica do inverno é uma amplitude térmica maior, ou seja, ocorre uma diferença grande entre a temperatura mínima e a máxima registradas durante um mesmo dia.

Estes fatores, somados a ácaros presentes nos ambientes que frequentamos – incluindo nossa própria casa -, desencadeiam problemas respiratórios, sobretudo a temida rinite alérgica, alerta a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai).

Segundo a entidade, a rinite tem sintomas parecidos com os da gripe, mas as duas doenças não devem ser confundidas. Ambas provocam, entre outras coisas, espirros, nariz escorrendo e obstruído. “O que diferencia a gripe da rinite é que o paciente fica com o nariz entupido diariamente, o que resulta em dificuldade para respirar”, esclarece a médica Ingrid Souza Lima, especialista da Asbai.

Ainda de acordo com ela, mais importante do que não fazer confusão com os problemas de saúde é não praticar a automedicação. Portanto, deve-se sempre procurar um médico que possa identificar e tratar o problema.

Para o caso da rinite alérgica, que encontra nessa época do ano o ambiente propício para se desenvolver, Ingrid Souza Lima faz recomendações para que a doença não apareça ou não se agrave, caso já tenha surgido: “O mais importante é manter o controle dos ambientes, retirando possíveis objetos que podem acumular ácaros, como cortinas e tapetes, encapar colchão e travesseiro com material impermeável e deixar os locais iluminados naturalmente e bem arejados”, diz a médica.

Os principais sintomas da rinite alérgica, segundo a Asbai, são: crises de espirros, coriza com aspecto claro, coceira no nariz (podendo atingir também os olhos, ouvidos e a garganta) e entupimento nasal.

Ainda de acordo com a entidade, a doença “não é contagiosa e pode começar em qualquer período da vida, mas é pouco frequente antes do primeiro ano de idade”.

Vale, ainda, uma nota importante sobre as alergias: crianças com pais alérgicos tem de 50% a 70% mais chances de desenvolver uma doença respiratória, incluindo a rinite alérgica, informa a Asbai.

Fonte: Revista Encontro